Quinta, 23 de Setembro de 2021 03:15
(19) 98191-2534
Senado Federal Senado Federal

Projeto sobre conscientização sobre câncer de cólon e reto passa na CAS

A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado aprovou nesta terça-feira (3) um projeto de lei que estabelece o mês de março como o Mês de Conscien...

03/08/2021 23h30
Por: Zatum Notícias Fonte: Agência Senado
A senadora Zenaide Maia (na tela) apresentou parecer favorável à proposta, que ainda será analisada pelo Plenário do Senado - Jefferson Rudy/Agência Senado
A senadora Zenaide Maia (na tela) apresentou parecer favorável à proposta, que ainda será analisada pelo Plenário do Senado - Jefferson Rudy/Agência Senado

A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado aprovou nesta terça-feira (3) um projeto de lei que estabelece o mês de março como o Mês de Conscientização sobre o Câncer de Cólon e Reto: o PL 5.024/2019, que teve origem na Câmara dos Deputados, recebeu parecer favorável do senadora Zenaide Maia (Pros-RN), com uma emenda. O projeto segue agora para análise do Plenário do Senado. 

O texto prevê que, durante esse mês, sejam realizadas campanhas educativas e informativas para educar a população sobre a doença e sua prevenção. Relatora da matéria, Zenaide retirou da proposta um artigo que previa que caberia ao gestor federal do Sistema Único de Saúde (SUS) promover eventos e atividades para divulgação, de forma integrada com estados e municípios, do câncer de cólon e reto e das formas de prevenção dessa enfermidade. 

A relatora destacou que a conscientização da sociedade é o modo mais eficaz de combater a incidência da doença. Segundo ela, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) estimou que, em 2020, houve 17.760 novos casos de câncer colorretal em homens (7,9% do total de novos casos de câncer) e 16.590 novos casos em mulheres (7,4% do total). Ela ressaltou que, para os homens, o câncer colorretal é o terceiro tipo mais comum de câncer; no caso das mulheres, é o segundo tipo mais comum. Zenaide também observou que, em relação à mortalidade, o câncer colorretal é a terceira causa de morte por câncer para homens e mulheres, sendo responsável por 8% e 9,3%, respectivamente, dos óbitos por neoplasias de forma geral.

A senadora destaca ainda que, de acordo com o Inca, as estratégias para a detecção precoce do câncer são o diagnóstico precoce (abordagem de pessoas com sinais e/ou sintomas iniciais da doença) e o rastreamento (aplicação de exame numa população assintomática, aparentemente saudável, com o objetivo de identificar lesões sugestivas de câncer, e encaminhamento dos pacientes com resultados alterados para investigação diagnóstica e tratamento).

"Essas informações referendam a importância de estabelecermos um mês de conscientização da doença, tendo em vista os seguintes fatos: o câncer colorretal tem alta incidência e elevada letalidade no Brasil, seus fatores de risco e sua prevenção demandam que a população seja conscientizada sobre a necessidade de fazer mudanças de hábitos alimentares e de estilo de vida e, por fim, o sucesso do tratamento depende de um rastreamento efetivo e da detecção precoce das lesões neoplásicas", afirmou Zenaide.

Estágios

Também foi aprovado na CAS um projeto de lei que trata da seleção de estagiários: segundo o texto do PLS 453/2018, o processo seletivo terá como um de seus critérios o desempenho acadêmico do estudante ("especialmente no caso de estágio não obrigatório"). Esse texto também prevê que a condição social e familiar será um dos critérios na seleção para estágios não obrigatórios.

A autora da proposição, senadora Rose de Freitas (Podemos-ES), argumentou que os critérios de seleção de estagiários ainda privilegiam as classes sociais com maior poder aquisitivo, que têm acesso a melhores condições de ensino, em detrimento da expansão de oportunidades para os estudantes mais pobres.

Com o mesmo raciocínio, o relator da matéria, senador Fabiano Contarato (Rede-ES), recomendou sua aprovação com o objetivo de expandir as políticas de ações afirmativas. Ele argumenta isso irá contribuir para uma “maior valorização dos estudos e o reconhecimento do esforço próprio, sanando, assim, situações de desigualdade que são prejudiciais para o desenvolvimento da sociedade como um todo”.

Esse projeto segue para análise da Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) do Senado.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.