Geral Comportamento

Vacinas da China

A pergunta que não quer calar: são seguras?

06/10/2020 15h33
Por: Da Redação Fonte: Da Redação
China negocia com OMS o uso de vacinas (Reuters / Tomas Peter)
China negocia com OMS o uso de vacinas (Reuters / Tomas Peter)

As vacinas contra covid-19 são apontadas como a solução da pandemia. No entanto, durante um período estarão sob suspeição, até que a eficácia seja confirmada, e somente o tempo dirá.

Neste momento a a China está negociando uma avaliação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de suas vacinas contra Covid-19 produzidas localmente.

Essa medida é o primeiro passo para disponibilizá-las para uso global.

Centenas de milhares de trabalhadores essenciais e outros grupos considerados de alto risco da China receberam vacinas desenvolvidas localmente mesmo antes de os testes clínicos terem sido finalizados, o que despertou temores de segurança entre especialistas.

A China realizou conversas preliminares com a OMS para incluir suas vacinas em uma lista de uso emergencial.

O procedimento de inclusão na lista de uso emergencial da OMS permite que vacinas e tratamentos, ainda sem licença, sejam avaliados para acelerar sua disponibilidade em emergências de saúde pública. A medida ajuda os países-membros da entidade e agências de compra da Organização das Nações Unidas (ONU) a determinarem a aceitabilidade das vacinas.

"Potencialmente, através do uso desta listagem de uso emergencial, a qualidade, a segurança e a eficiência destas vacinas poderiam ser analisadas e depois serem  disponibilizado para nossos licenciados.

A China tem ao menos quatro vacinas experimentais no estágio final dos testes clínicos. Duas são desenvolvidas pela China National Biotec Group (CNBG), que tem apoio estatal, e as outra duas são da Sinovac Biotech e da CanSino Biologics, respectivamente.

Elas estão sendo testadas em países como Paquistão, Indonésia, Brasil, Rússia e Emirados Árabes Unidos.