Geral Política

Prefeitura comprou quatro respiradores usados pela bagatela de R$ 400 mil

Cazellato comprou apenas quatro respiradores para pacientes da Covid-19

18/09/2020 12h32
Por: Da Redação Fonte: Da Redação
Divulgação
Divulgação

Até servidores públicos da Secretaria de Saúde tiveram que buscar ajuda em outras cidades

Apesar de contar com um orçamento de aproximadamente R$ 380 milhões para serem gastos na saúde pública ,em 2020, e possuir o maior orçamento por pessoa do Brasil na área, com  R$ 2.753,44 anuais, segundo dados da CFM (Conselho Federal de Medicina), a Secretaria de Saúde local comprou apenas quatro respiradores para combater a pandemia. 

Cidades com orçamento muito menor, como Valinhos, foram obrigados a receber moradores de Paulínia em vagas de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo). A servidora pública Vilma Lacerda, por exemplo, precisou ser acolhida no município vizinho. 

Para piorar, os quatro respiradores comprados pela administração Du Cazellato (PL) são usados e integrantes do Conselho de Saúde chegaram a questionar os valores pagos, com a suspeita de desvios de recursos públicos. O prefeito pagou a bagatela de R$ 400 mil nos equipamentos. 

76º morte

Paulínia chegou a 76ª morte em decorrência do coronavírus, segundo dados da Secretaria de Saúde divulgados na quinta-feira (17). No total, 3.320 pessoas contraíram a doença na cidade, que tem o maior índice por cem habitantes em infecções, com a marca de 4,6. Na prática, isso significa que a cada 100 mil moradores, 4,6 mil pessoas contraíram a enfermidade. 

O MP (Ministério Público) chegou a afirmar que a administração foi “omissa” e “irresponsável” ao lidar com a pandemia.

Especialista

O especialista em saúde pública Fabrício Brazão, com doutorado na Unicamp, relatou que tal situação ocorre em Paulínia por conta maus investimentos em saúde pública, ou por falta de gestão. 

“Uma cidade com tamanha riqueza deveria seguir protocolos sanitários mais rígidos e proteger melhor a sua comunidade, com ações efetivas de longo alcance social. Com recursos, seria possível criar políticas públicas para evitar tantas infecções e mortes”, explicou. 

Para Brazão, Paulínia deveria ter criado mutirões de entrega de alimentos para famílias carentes e até repasses em dinheiro, para evitar que os moradores saíssem na rua em busca de seu sustento. 

Ônibus

Em plena pandemia, nos horários de pico, no início da manhã e final da tarde, os ônibus saem lotados dos pontos centrais para os bairros. Moradores têm reclamado que por conta disso o coronavírus está se propagando na cidade. 

“Paulínia é campeã em casos de Covid-19 por conta dessa irresponsabilidade do prefeito”, afirmou o mecânico Robson Costa Bertalli, 40 anos. 

Agentes

Além disso, dezenas de agentes de segurança também contraíram a doença. A cidade conta com 223 integrantes da GCM (Guarda Civil Municipal) e 40 foram infectados pela Covid-19, o que corresponde a 17% do efetivo.