Cidades Pandemia

Promotores afirmam que tratamento contra coronavírus em Paulínia é "ineficiente" e "discriminatório"

Cidade tem maior índice de infectados por cem mil habitantes na RMC

03/08/2020 20h11 Atualizada há 2 meses
Por: Zatum Notícias Fonte: Da Redação
Hospital de Paulínia está sem vagas na UTI para pacientes de coronavírus (Crédito: divulgação)
Hospital de Paulínia está sem vagas na UTI para pacientes de coronavírus (Crédito: divulgação)

Os promotores André Perche Lucke e Verônica Silva de Oliveira fizeram uma recomendação para que a Secretaria de Saúde de Paulínia adote medidas de tratamento contra o coronavírus logo quando aparece os primeiros sintomas da doença. 

A medida ação como objetivos garantir tratamento igualitário entre pacientes pobres, normalmente atendidos pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e pessoas com boas condições financeiras, que realizam tratamentos em hospitais particulares. 

Os promotores argumentaram que estudos médicos apontaram que quando o tratamento em um paciente com Covid-19 começa nos primeiros sintomas da doença, o sucesso na recuperação é mais garantido. 

Além disso, segundo os representantes do MP (Ministério Público), a medida evitaria a superlotação na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) do HMP (Hospital Municipal de Paulínia). 

“CONSIDERANDO que a inadequação e a ineficiência do tratamento dispensado pelo MUNICÍPIO DE PAULÍNIA (ou melhor, da ausência dele) aos infectados pelo SAR-CoV-02 que desenvolvem a forma grave de COVID-19, caracterizada pelo não monitoramento dos pacientes que não pertencem ao grupo de risco25 e pelo descaso com o serviço de atenção primária, talvez justifiquem a altíssima taxa de ocupação do HOSPITAL MUNICIPAL DE PAULÍNIA que atualmente conta com apenas 01 (um) leito vago na UTI para atender a uma demanda que permanece em alta”, diz trecho do documento assinado pelos promotores. 

Números 

Atualmente, a Secretaria de Saúde local tem enviado pacientes para outras cidades, inclusive, com arrecadação muito inferior a Paulínia, por não ter mais vagas na UTI. 

Para piorar, o controle da pandemia supostamente está sendo feito de maneira equivocada, já que os números não param de crescer e Paulínia é a cidade da RMC (Região Metropolitana de Campinas) com maior incidência do novo coronavírus, de acordo com levantamento do Observatório da Puc-Campinas.  Na média por 100 mil habitantes, Paulínia é o município  da RMC que tem mais pessoas infectadas pelo coronavírus.

Nesta segunda-feira (03), segundo dados da Secretaria de Saúde local, Paulínia chegou a 2.079 pessoas infectadas e 36 mortes.

Outro lado 

Em nota, a prefeitura informou que “não foi formalmente intimada da ação proposta pelo Ministério Público e que responderá à ação de forma técnica, de acordo com os protocolos científicos orientados pela Secretaria de Saúde, com base em evidências clínicas consagradas, caso seja”.

Na sexta-feira (29), a juíza Marta Brandão Pistelli indeferiu as solicitações do MP.