Cidades Paulínia

Caprino sugere comitê de gestão de crise para resolver problemas do transporte

Ex-vice-prefeito também aponta que há falhas na formatação do edital que resultou na contratação da Viação Terra

14/01/2020 17h31 Atualizada há 6 meses
Por: Zatum Notícias Fonte: Raoni Zambi
Sandro Caprino conversando com usuários do transporte público de Paulínia (Crédito: divulgação)
Sandro Caprino conversando com usuários do transporte público de Paulínia (Crédito: divulgação)

O ex-presidente da Câmara e ex-vice-prefeito Sandro Caprino (PRB) concedeu uma entrevista, na terça-feira (14), ao Portal Zatum sobre a situação do transporte de Paulínia, que nos últimos dias tem gerado diversas reclamações da comunidade. 

Formado em gestão pública e com passagens profissionais em gabinetes de vereadores, deputados e como assessor em prefeituras, Caprino apontou que a solução do problema passa pela formação de um comitê de crise, com a participação do prefeito Du Cazellato (PSDB), secretários, parlamentares e usuários do transporte municipal. 

“A população está descontente com a nova empresa, e com total razão. Acredito que o edital de chamamento público foi realizado com muitas falhas e a administração tem a responsabilidade de enfrentar a situação, de forma rápida. O cidadão paga imposto e tem o direito de exigir o melhor”, afirmou Caprino. 

A Viação Terra assumiu o transporte público no sábado (11), e entre os problemas relatados estão atrasos de até duas horas, ônibus quebrados, falta de diesel, veículos sujos e com peças quebradas e falta de acessibilidade para PCDs (Pessoas Com Deficiência). 

Confira os principais trechos da entrevista:

Zatum: Como está vendo essa questão do transporte público da cidade? 

Sandro Caprino: A situação está caótica. Mais uma fatalidade, mais um erro administrativo.  Infelizmente, tais situações se tornaram comuns nas últimas gestões. O caso é gravíssimo. Os ônibus da Terra Auto Viação não têm condições de atender as necessidades da população, os problemas são inúmeros. 

Zatum: Na sua avaliação, por quais motivos a situação chegou a tal ponto? 

Sandro Caprino: Tenho muito respeito ao prefeito Du Cazellato, secretários e servidores de carreira da Secretaria de Transportes. Porém, acredito que houve falha no procedimento, no chamamento público. Aconteceram também falhas de gestão e fiscalização. O edital poderia ter amarrado algumas situações para evitar que empresas sem condições de prestar o serviço participassem da concorrência. Se o edital tivesse sido realizado de forma técnica, com um olhar mais clínico desde o início, muitos problemas teriam sido evitados. Esse procedimento deveria ter sido feito com muita atenção por parte do Chefe do Executivo.  

O prefeito poderia ter feito visitas in loco para conhecer a estrutura das empresas, por exemplo, antes de terminar a concorrência pública. 

Lembro de um caso quando era presidente da Câmara de Paulínia. Durante uma licitação vi que teríamos problemas e resolvi suspender uma licitação, e lançamos outro edital e a questão foi saneada.  

O administrador precisa adotar uma série de posturas para evitar irregularidades. 

Além disso, o TCE-SP (Tribunal de Contas) de São Paulo tem alertado e passado orientações sobre o transporte público. Portanto, ocorreram falhas no edital e de procedimento. E sabemos que a administração teve tempo para fazer tudo de forma adequada. 

Zatum: Como os problemas poderiam ter sido evitados? 

Sandro Caprino: A Prefeitura de Paulínia tem ótimos profissionais, competentes. No entanto, falta uma reforma administrativa, de novas práticas. Alguns procedimentos estão arcaicos, são muito antigos. 

Precisamos de uma reformulação de gestão, com novos processos. O nosso modelo está errado, e isso afeta todas as áreas. Por isso, sempre temos dificuldades na saúde. 

Existem cidade menores, com menos estrutura, e tudo é feito com mais agilidade, rapidez, eficiência e transparência.  Precisamos de novos modelos de orçamento, licitação e análises técnicas. 

Zatum: Qual análise política você faz, com base nas reclamações da comunidade? 

Sandro Caprino: Torço para as coisas darem sempre certo, sempre. Por isso, estou opinando e passando um pouco da minha experiência e não quero comentar muito questões políticas. 

Mas com certeza existe um desgaste. Mais uma vez a população de Paulínia comprou gato por lebre. Mais uma vez a população comprou um produto e está levando outro. Tudo isso por falta de gestão. A cidade sempre paga preços altos por conta de erros administrativos. 

Zatum: O que deve ser feito para superar as dificuldades?

Sandro Caprino: O prefeito poderia montar um comitê de gestão de crise no transporte, com a nomeação de secretários, servidores públicos e até com a população. Caberia ao comitê tomar as medidas necessárias, como notificar a empresa, ficar em cima e defender os interesses da sociedade. 

A empresa precisa sofrer as consequências de seus erros, de forma efetiva. Caso o segundo e o terceiro colocados não tenham condições, talvez o caminho seja um novo edital, mas dessa vez feito com mais responsabilidade, transparência e eficiência. 

Hoje, cada tarifa fica em R$ 2,45 e antes era de R$ 2,85. O cidadão paga no momento que embarca R$ 1. Com o valor que é gasto, todos os ônibus teriam que ter ar condicionado e serem confortáveis. A nossa população merece sempre o melhor. 

Para ficar bem informado curta a página no Facebook:  https://www.facebook.com/zatumnoticias